Uma companhia que ainda me darei ao luxo.



Não vi ninguém que experimentou se arrepender. A curiosidade ainda me domina.




20 comentários:

  1. deve experimentar sim. e contar pra nos oque achou!

    ResponderExcluir
  2. Sim, além disso, nos passar possíveis relatos de quem praticou rsrs

    ResponderExcluir
  3. Minha esposa já experimentou e gostou!
    Sozinha em casa fazendo faxina, bateu o tezão e ela experimentou ficar nua, de quatro pro seu cãozinho de estimação e o instinto animal do macho falou mais alto.
    Depois de um certo ajuste para que a penetração se consumasse no ânus, ela me contou que o danadinho mandou ver com determinação e competencia.
    O problema foi que ele ficou viçiado...
    Ela ainda ofereceu o cuzinho a ele outras vezes mas ele passou a ficar violento e tivemos que doá-lo.
    Mas foi uma experiencia maravilhosa pra ela!

    ResponderExcluir
  4. Já vi alguns filmes acho excitante

    ResponderExcluir
  5. E porque não nos contar os pormenores dessa historia excitante ????

    ResponderExcluir
  6. Eu perdi a virgindade com com cachorrão e fiquei engatada nêle. Tinha 15 anos, atualmente tenho 32 e sou casada. Na época vivia com os meus pais, numa quinta que êles ainda possuem, Sentia bastante necessidade de ter sexo, não tinha namorado e dos poucos rapazes que existiam na zona nenhum merecia a minha confiança para me entregar a um dêles. receando que de seguida fosse contar aos amigos o que tinha feito e depois fizessem chantagem comigo afim de eu ceder para os restantes. Possuiamos, para guardar a quinta, um possante pastor alemão, de nome "tigre", muito bem tratado, tanto em alimentação como em hegiéne e vigiado regularmente pelo veterínário. Algumas vezes era eu a dar-lhe banho e quando tal acontecia, estando sosinha, passava-lhe a mão pela barriga notando que o seu pénis era enorme e saía quase totalmente da capa. Comecei portanto a pensar que se deixasse o "tigre" penetrar-me ninguém iria saber. Êle nunca tinha copulado com nenhuma cadela , pois tinha ido em pequeno para a nossa posse e certamente também estaria necessitado. Sempre que tinha oportunidade acareciar-lhe o pénis e dava-lhe a cheirar os meus dedos, depois de os ter mergulhado na minha intimidade, quando estava mais excitada. Pareceu-me que êle gostava, não só do cheiro como também do paladar, pois lambia-me os dedos enquanto o tinham o sabor do meu sexo. Certo dia, em que igualmente estava sosinha, exprimentei a deixa-lo lamber entre as minha pernas, mesmo com calcinhas vestidas. êle parecia louco com o cheiro que exalava de mim. Resolvi portando tirar a calcinha e deixa-lo lamber directamente o meu sexo, do qual escorria abundante excitação. Nunca eu havia sentido tanto prazer, aquela lingua lambendo-me os lábios vaginais. que embora aspera provocou-me tanto goso que só mais tarde soube que tinha tido um orgasmo. Nesse mesmo dia o "tigre" tentou meter em mim, mas calculando que os meus pais estariam a chegar, afastei-o, embora com dificuldade. A partir daí, logo que o "tigre" chegava junto de mim o seu pénis saia da capa. Inicialmente evitava chegar junto dêle quando os meus pais estavam presentes, com receio de êles desconfiarem do que se passava, mas notei que em certos dias o "tigre" procedia de igual forma para com a minha mãe, não porque tivesse acontecido algo com ela, mas talvez fosse nos dias em que seu cheiro de femea era mais activo. Portanto dexei de me preocupar. (outro dia terminarei o meu relato porque chegou o meu marido e êle desconhece o que se passou comigo e o "tigre")

    ResponderExcluir
  7. Aproveitando este momento do meu marido não estar em casa, irei descrever o melhor que me recordar, a forma como perdi a virgindade com o "tigre" . Apesar de desejar imenso sentir de novo aquele grande prazer que o cachorrão já me tinha proporcionado, tive de aguardar por um dia em que os meus pais estivessem ausentes. Logo que os meus pais sairam chamei o "tigre", lavei-o todo com champô pefumado, em especial a parte da barriga, o que fez o seu enrme pénis ficar a descoberto. Embora fosse de verão, enxuguei-o com o secador. Êle parecia compreender o que brevemente iria ter, pois constantementa tentava meter a cabeça entre as minhas pernas. Sentei-me na beira da cama, abri as pernas, sem calcinhas, e chamei-o para me lamber. Novamente senti aquele prazer que dias antes havia obtido, mas tanto eu como o "tigre" dessa vez pretendiamos muito mais. Êle começo a tentar meter cona, noentanto, de frente não dava geito, apenas entrava a ponta do pénis, provocando-me muito prazer; mas eu queria que entrasse tudo dentro de mim. Já tinha visto cães copularem com cadelas, era com êles por trás. segurando-as com patas. Tinha também visto o nosso cavalo com a égua dum vizinho, que um dia a tinha levado á quinta, para o nosso o cavalo a cobrir Também foi com êle por trás, segurando-a com as patas posteriores. Recordo-me que fiquei admirada, mas também cheia de tesão, ao ver que o grande mastro do cavalo, entrava todo dentro da égua e ela parecia gostar, porque só abria e fechava a boca, como de estivesse saboreando. Com este meu novo relato já me afastei do que se passou comigo. Resolvi portanto proceder como uma cadelinha, ou uma égua. Despi a saia e vesti uma camisola bem grossa por causa da garras do "tigre"e debrucei-me sobre a cama com as pernas abertas; êle imediatamente começou a lamber-me, dessa vez não apenas a cona, mas também o cosinho. Que sensações maravilhosas sentir aquela lingua. Creio que é mesmo o instinto dos animais, pois apesar de êle nunca ter copulado com uma cadela, subiu para cima de mim, procurando enfiar em qualquer buraco. Não dava com a entrada, algumas vezes atigia o cusinho sem entrar, nas não era ali que eu queria que êle metesse. Foi necessário, com as minhas mãos, colocar a ponta do pénis mesmo entre os lábios da cona. O desejo que eu tinha de sentir tudo aquilo dentro de mim era grande mas a dor que senti, após a estucada que o "tigre" me deu logo que a ponta do pénis ficou entre os lábios da cona, foi ainda maior. Parecia um ferro em brasa que tinha entrado dentro de mim. Tentei escapar-me do "tigre", pois não suportava as dores, mas para a frente era impedida pela cama e para trás estava o cachorrão a segurar-me. Eu chorava, gritava, já dizia mal á minha vida, mas tinha de aguentar. O "tigre" pareceu compreender as minhas dores, pois ficou sem se mexer durante largo tempo. Quando as dores começaram a diminuir senti qualquer coisa a aumentar de velume dentro de mim e um liquido bastante quentinho inundar-me. Apesar das dores, sentia também prazer, embora menos do que tinha imaginado; certamente que eram as dores o motivo do menor prazer, contudo mantinha-me na mesma posição, com o "tigre" em cima de mim. Êle tentou sair mas não conseguiu. Estava preso. Ao fazer pressão para sair, as minha dores amentaram, pois a bola que se havia formado dentro da cona não cabia na saída: Virou-se com a cauda para o meu cusinho e eu segurava-o com mãos para o manter sossegado porque o menor movimento dêle aumentavam as minhas dores. Assim permanecemos durante não sei quanto tempo, até quem repentinamente se desprendeu. Foi então que vi o que escorria da minha cona. Um liquido bastante espesso e ensanguentado. Era portanto esporra canina com o meu sangue. Logo que saiu de dentro de mim o "tigre" virou novamente a cabeça para o meio das minhas pernas e lambeu tudo o que havia escorrido. Esta foi a primeira vez que dei para o "tigre", outras se seguiram enquahto solteira, mas depois só com prazer e nada de dores.

    ResponderExcluir
  8. Já pensaste en contar ao teu marido as aventuras que tiveste com o TIGRE?- Depois de casada não voltaste a praticar zoofilia?- Talvez o teu marido gostasse de te ver engatada com um cachorro possuidor de um pau semelhante ao do TIGRE e recordavas assim os prazeres do tempo de solteira. Eu se a minha esposa aceitasse, não me importava que ela tivesse uma experiência de zoofilia, na minha presença, caso possuisse-mos um cachorrou.

    ResponderExcluir
  9. Tenho 40 anos, dois filhos com 17 e 16 anos, ambos na faculdade numa outra cidade e encontro-me divorciada á 5, Sou dona de um lindo e corpolento cachorrão PIT BUl. Confesso que nos dias em que sinto tesão já tenho dado para êle. A primeira vez que tal aconteceu estava bastante nervosa, pois nunca tanha imaginado que um dia iria satisfazer-me sexualmente com um cachorro Tudo começou ao ver aquela pica vermelha, bicuda, bastante comprida e grossa, que algumas vezes acareciava quando lhe dava banho, surgindo então na minha mente o desejo de exprimentar com seria ser penetrada por ela. Durante vários meses meditei muito se haveria ou não de entregar-me ao cachorro, pois compreendia que era uma coisa anormal, noentanto o facto ser uma novidade aumentava-me a excitação. O meu PIT BUL não estava treinado para ter relações sexuais como uma mulher. Como êle gostava que eu lhe acareciasse a pica, sempre que tal lhe fazia, despia as cuequinhas e puxava-lhe a cabeça para o meio das minhas pernas. Inicialmente pareceu-me pouco interessado, até que um dia em estava menstruada, então sim, êle começou a lamber, talvez por ter algum sangue e eu senti enorme prazer com aquela lingua. A partir desse momento decidi que tinha de exprimentar o resto e o meu PIT BUL passou lamber-me o sexo sempre que o deixava, mesmo não menstruada e a sua pica saía para fora sem que eu lhe tocasse com as mãos. Comecei a colocar-me tal uma cadela e chama-lo para me lamber por trás, mas êle queria logo montar-me. As primeiras vezes não deixei, apenas me lambia e eu gozava com isso, até que realmente aconteceu a penetração, mas fui eu própria que encaminhou, porque êle tão acertava. Entrou tudo sem grande dificuldade, pois os dois partos, quando nasceram os meus filhos, haviam-me dilatado. Apenas obtive prazer, contudo o maior prazer, com orgasmos tão intensos que nunca tinha sentido antes, foi quando a bola começou a aumentar de velume, enchendo-me por completo, enquanto o meu útero era inundado pela sua esperma. Apesar de não ter ficado engatada, quando a bola saíu fez ruido como a rolha de uma garrafda de champanhe. Tenho repetido com frequência o sexo com o meu PIT BUL, sempre com enorme prazer, noentanto e que desejava exprimentar ainda era a grossura do mastro dum ponéi, qual a sensação de ser arrombada por uma coisa cuja é cabeça tão larga e de certo será bastante deloroso sentir abrir o caminho para entrar o esto do corpo . Não direi de um cavalo porque é natural que não aguentasse, mas se não fôsse demasido grande talvez tentasse. Sei de antemão que será impossivel uma tal experiencia, porque não possuindo nunhum animal equíno nunca me irei expor perante alguém que possua esses animais.
    ,.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde!!
      Vcs são mulheres excepcionais , fiquei curioso e interessado em seus relatos.
      Vcs são de Portugal?
      Alguma do Brasil?
      Bjs

      Excluir
    2. Eu sou portuguesa, minha mãe é espanhola e tenho residencia em portugal.

      Excluir
    3. Já encontras-te algum pónei ou cavalo para ver se aguentas?- Eu sou dono de um jovem cavalo que ainda não meteu em nenhuma égua. É portanto virgem. Gostaria que êle perdesse a virgindade com uma mulher e ver se alguma aguentava o seu varapau, mas desde já aviso que bastante grosso e comprido. Êle é muito mansinho. Quanto a isso não á que ter receio. Se estiveres interessada é só dizeres que eu informo o endireço. Por agora digo apenas é algures na beira baixa.

      Excluir
  10. Carissima anónima, li com bastante interesse o relato do seu relacionamento com o PitBul e na parte final o desejo de exprimentar um ponéi, mas não possuindo nenhum desses animais, que nunca iria expor-se perante alguém, para uma tal experiência. No caso de ser uma outra mulher e que já tenha praticado algumas vezes esse tipo de relacinamento, estava de acordo em participar também? Eu na verdade sou casada, tenho 42 anos e possuimos uma propriedade, com habitação, no ribatejo, a cerca de 40 kilometros de lisboa e nesta propriedade temos entre outros animais, um ponéi e 2 cavalos. O ponéi já está treinado a montar-me, porque o meu marido, que tem uns anítos a mais do que eu, não me satisfaz sexualmente, mas excita-se imenso quando vê aquela vara grossa entrar quase toda dentro de mim e o grande prazer que sinto com o ponéi a penetrar-me. Foi inclusivamente o meu marido que me propoz o ponéi e nas primeiras vezes ajudou este a meter a sua geba no meu sexo. Evidentemente que no caso de a anónima aceitar o convite, êle não estará presente, seremos apenas só nós as duas, pois eu estou perfeitamente apta a utilizar o ponéi para o nosso o prazer sexual sem qualquer ajudo do meu marido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carissima anónima do ribatejo, tenho pensado sériamente na proposta e estou disposta a aceitar, caso tudo seja realizado só entre nós, mulheres. Gostaria de falar convosco, pessoalmente, antes de haver uma decisão. Não seria correcto comparecer na vossa propriedade, sem nos conhecermos e, com a possibilidade do teu marido estar presente, dizendo: estou pronta para ter a experiência de que falamos na internet. Isso não. Será muito dificil falar desta minha pretenção na frente de um homem desconhecido e. para que realmente essa experiência venha a concretizar-se é necessária a promessa que nesse dia o teu marido não estará na propriedade. Para o nosso encontro, sugiro um restaurante algures na zona, onde poderemos almoçar e falar sobre o assunto.

      Excluir
    2. Anónima do ribatejo30 de dezembro de 2015 17:52

      Amiga anónima, já por duas vezes tentei dar-vos um nº de telemóvel,(embora posteriormente esse nº fosse anulado). mas tive conhecimento não ser permitido mencionar nºs telefonicos nesta blog. Assim, sugiro um encontro entre nós, no restaurante A CANOA, em Vila Franca de Xira. Para que possas idendificar-me terei um flor vermelha sobre a mesa. Diz apenas o dia e a hora que disponibilizas para o nosso encontro. Eu lá estarei.

      Excluir
    3. Amiga anónima do ribatejo, vi com entusiasmo a tua sugestão, informo noentando que por estes dias não poderei deslocar-me a vila franca de xira, contudo, caso mantenhas o local indicado e a identificação, informarei a data para o encontro logo que tal me seja possivel.

      Excluir
    4. Anónima do ribatejo11 de janeiro de 2016 21:38

      Minha boa amiga anónima, no caso de tencionares realizar a tua fantazia no próprio dia ou no dia seguinte ao previsto nosso encontro, realmente a presente época não é a mais adequada, será preferivel portanto que esta seja na primavera ou inicio do verão. Noentanto poderemos encontrarmo-nos logo que tal vos seja possivel. O local do nosso encontro continuará o que indiqei anteriormente, informando ainda que poderás ficar instalada na nossa propriedade os dias que desejares.

      Excluir
    5. AMIGA DO RIBATEJO, CASO SEJA POSSIVEL COMPARECERES NO LOCAL, INFORMO-TE QUE DA MINHA PARTE ESTAREI PRESENTE PELAS 11 HORAS DO PRÓXIMO DIA 14 DO CORRENTE MES DE MAIO. SE NADA DISSERES DEPREENDO QUE ESTARÁS TAMBÉM PRESENTE. (OBRIGADO)

      Excluir
    6. Como decorreu a sua experiencia com o pónei? Segundo depreendi, deve ter acontecido no passado mês de maio e como não disse ainda nada gostaria de saber como decorreu, porque tanho também uma fantasia semelhante, mas receio as dores que poderá provocar aquela cabeça tão larga ao entrar, eu não aguentar as dores e depois se entrar tudo deve deslocar o utero até ao estomago

      Excluir
  11. Tenho 38 anos e a minha esposa 37, estamos casados á 12. O nosso relacionamento, tanto o familiar com o sexual é excelente, nunca a traí e julgo que da parte ela também nunca houve qualquer traição.Temo-nos filmado com frequencia quando transamos e esses filmes excita-nos imenso sempre que os vimos. Imaginamos que é outro homem que está sobre ela, pois nunca aperecem as nossas feições. Ela é extremamente púdica para se entregar a alguém e eu reconheço que não suportaria o facto de ela ser penetrada por outro homem, existindo ainda o risco de esse alguém me apontar depois como um marido chifrado. Falei´com a minha esposa sobre uma fantazia que me surgiu, mas está receosa em aceitar. Possuimos um Dog bastante corpolento mas meigo e não me importava que a minha esposa desse para êle. Assim era um segredo só nosso, mas ela está com medo porque o Dog tem um pénis enorme e muito grosso, tem receio de não aguentar, principalmente se o nó também entrar. Eu gostaria até de a ver ficar engatada. Quando olhamos para o Dog e falamos na possibilidade de êle a penetrar, ambos ficamos excitados, mas está a ser dificil tomar uma tal decisão.

    ResponderExcluir

Cada comentário contribui para a vontade de postar mais, e melhor. Comente!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...